" Eu não me importo se você é branco , negro , hétero , bissexual , gay, lésbica , baixo , alto , gordo , magro , rico ou pobre . Se você for gentil comigo , eu serei gentil com você simples assim " ( Eminem )

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Ainda Estou Aqui

          Atualmente, sofro de um estado constante de regressão. Cada segundo nesta semana foi como se eu voltasse ao meu EU anterior, aquele que eu gostaria de esquecer. Aquele que era calado, triste e infeliz. Ainda não identifiquei bem o que me fez regredir desta forma, mas tem sido doloroso e lento. 
          Tenho estado sensível e tudo que eu gostaria é de um abraço longo e caloroso, daqueles que sufocam e aquecem o coração. Mas nunca terei. Parece que a minha vida, será apenas de desejos inalcançáveis e sonhos não concluídos. Parece que meu tempo já passou e estive a pensar se isso não é uma "crise dos trinta" retrógrada. 

            Depois de tanto tempo sem vir aqui, tudo que eu gostaria era de trazer novidades, alegrias vividas e novos sonhos. Mas sinto-me cada dia pior e odeio me sentir assim, pois demorei anos pra ser quem sou agora. Foi doloroso antes e não quero retornar aquele lugar no meu coração, que já me fez sangrar tanto.
           Tenho medo. Me torno destrutivo. Só quero que tudo termine logo. É como se houvesse uma ansiedade pelo fim já que tudo até aqui, foi péssimo, em se tratando de relacionamentos. Se Deus existe, por que ele não ouve meu coração e manda alguém pra mim. Há casais tão bizarros, diferentes, inacreditáveis. Mas por que que pra mim, nunca há ninguém? Será que só eu não percebo o quão ruim eu sou? Ou estranho e antipático? Ou feio e esnobe? Sei lá, deve ter alguma explicação.
           Ouço esta música enquanto redijo este texto{Leandro Buenno - Fica Comigo}. Este rapaz do clipe, o cantor, me lembrou muito um crush do passado, e isso dilacerou meu peito. Não o sigo mais no Face, mas é certo que está com alguém muito melhor que eu, com um bom salário e bem mais bonito também. Verdade, quem namoraria um atendente de lanchonete?
            Ah... Não posso culpar minha vida por estar da forma que está. Eu sempre pensei no hoje, e em viver cada segundo da minha vida sem me preocupar tanto com o dia de amanhã. Nunca façam isso. Projetem seu futuro. Nunca se tornem alguém frustrado por não ganhar grana o suficiente. O dinheiro é tudo sim, a aparencia também. E Deus, esqueça. Talvez ele nunca te ouça, ou se ouvir, ele não é obrigado a colocar alguém bacana na sua vida. A sua vida é o que você fez dela, aceite isso. além do mais, apenas 7% da população mundial saberá o que é o verdadeiro amor. {inventei este número}. 

           Beijos, e perdoem meu texto/desabafo amargurado. Talvez um dia, eu traga boas novas. Talvez.  

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Leitura Recomendada

            JUNTOS NA SOLIDÃO: A Epidemia da Solidão Gay

          Sabe aquele texto que você adoraria publicar na TL do seu Facebook, mas ele esta cheio de parentes e talz, portanto, você não poderá fazê-lo? Pois é. Gostaria muito de compartilhar aqui, com vocês, este maravilhoso texto, que na verdade, é traduzido e transcrito no blog "Leve e Solto No Mundo". É um texto longo, mas recomendo fortemente. Sei que gostarão. Abraços.
          "Por décadas, também era isso que os psicólogos pensavam: que os estágios chaves da formação da identidade dos homens gays levavam a assumir-se e que, uma vez que nos sentíssemos confortáveis conosco mesmos, poderíamos começar a construir uma vida no meio de uma comunidade de pessoas que passaram pela mesma coisa. Mas, nos últimos 10 anos, pesquisadores descobriram que a luta para se encaixar só se tornou mais intensa. Um estudo publicado em 2015 descobrir que os índices de ansiedade e depressão eram mais altos entre homens que se assumiram recentemente do que entre aqueles que ainda estavam no armário."

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Quase me tornei uma estatística.

          No dia 30/12/2016 Sexta-Feira,  eu encontrei um amigo, quando voltava da minha caminhada. Ele me chamou para tomar uma cerveja e então me convidou para um pré-reveillon, que aconteceria na casa dele. Já estava tarde, mas decidi ir. Lá encontrei meu ex-ficante com o namorado dele e toda a galera que eu curto tanto. Meu ex me pegou falando bem dele pro atual. O atual me fez um sinal enquanto eu falava e ao olhar pra trás, meu ex ficante estava lá, ouvindo tudo. Fiquei sem graça, mas no fim, ele me pegou falando coisas lindas dele...De alguém que quase foi meu namorado. Só quero que ele seja muito feliz.♥
           Eu bebi horrores, mas como sou muito resistente, não fiquei chapado. Desci a pé do local onde ele mora e chegando perto da minha casa, decidi caminhar um pouco mais. Sim, já passava das duas da madruga, mas tenho dessas coisas.  Cruzei com um cara e começamos a caminhar juntos, lado a lado. Conversamos muito e depois de muitas indiretas decidimos ficar. Eu o levei para um lugar afastado e no caminho, cruzamos com dois caras que provavelmente estavam querendo usar drogas. 
         
            Eu levei de boa, cumprimentei os caras e saí, mas ele ficou todo desconfiado. Continuamos andando e chegamos ao local onde queria. Escuro, perfeito para fazermos sacanagens que quiséssemos. Distraído, recebi um golpe muito forte na nuca. Caí no chão, tonto, sem entender nada do que havia ocorrido. Foi então que percebi, ele havia me golpeado. Eu estava no chão, mal conseguia me levantar. Tonto. Perguntei por que havia feito isso, já que não dei motivos.
            Mas ele me disse que eu cumprimentei os caras, que eu estava o levando a uma emboscada. Ele estava surtado e disse que me eliminaria, ali, naquele momento. Consegui me levantar e explicar, que cumprimentei eles por educação, e não cumprimentar alguém que pode te fazer mal, é perigoso, por isso falo ao menos um "oi" com todos. Tive de  jurar que não os conhecia. Quis voltar e perguntar a eles na frente dele, mas ele não aceitou. 

           Achei que tudo estava perdido, e ouvindo ele dizer várias vezes que poderia me eliminar se quisesse. Pedi que me matasse logo, mas que não me deixasse sofrer. Que fosso rápido então. Eu chorava muito, e morrer, diante das situações que me angustiavam, não pareciam má ideia. Ele parou por alguns segundos e explicou que era policial disfarçado. Estava a procura de um traficando aqui na região e me confundiu com ele. Estava tentando arrancar algo de mim e aqueles dois rapazes na rua, que cruzou nosso caminho, foi o estopim para que ele achasse de fato que eu vendera drogas, ou o encurralaria. 

            Chorei muito. Machuquei o ombro esquerdo na queda e o dedão esquerdo do pé. Manquei muito no trabalho no dia seguinte por conta disso. Inventei aos amigos que havia dado uma topada na mesa a noite, no escuro. Ontem, 01/01/2017 Domingo, o meu dedão ainda estava muito inchado. Por sorte estava de folga. Vendo minhas lágrimas, e percebendo minha inocência, ele se desculpou várias vezes. Pegou meu rosto com suas mãos. Me abraçou. Pegou o celular e chamou uma viatura, para me levar para casa. Eu recusei, saí mancando pela rua. Ele me seguia pedindo perdão e repetindo toda sua motivação.

         Estava longe do local, então percebi que havia perdido meus óculos. Não teria grana para comprar outro tão em breve, então retornei. Ele disse que me ajudaria. Conversamos muito ainda. Disse que já havia perdoado ele bem antes dele me golpear. Como ele poderia saber? E ele era tão fofo. Pedi para que ficasse comigo e fiz oral nele. Foi bom, demorado. Ele é bem gostoso, gordinho, um tesão. Parece que mora nos arredores do lugar para onde me mudei. Ele não gozou, disse que qualquer hora dessas iríamos terminar o que começamos. Duvido. Nunca mais o verei. Só hoje me dei conta de que nem lembro do rosto dele.
          Se ele é policial mesmo? Bom, antes de me golpear, ele parecia meio bobo, mas fofo e gentil. Mas depois que me levantei daquele chão, vi um homem diferente, sóbrio e sensato. Ele arrancou uma blusa e por baixo, havia uma camiseta preta escrito Segurança... Ou seria polícia? Nem me lembro direito. O fato é, eu poderia ter virado estatística. Encontrariam meu corpo e nem saberiam  a motivação do crime. É importante citar, ele disse que eu deveria denunciá-lo. Disse que iria comigo e confirmaria tudo. Acho que sim, ele é policial. E o fato de ter saído de lá mancando, o deixou chateado. Ele queria mesmo me levar de viatura.

          No mais, quase chegando em casa, dei umas olhadas para um cara que descia, assim como eu, para o centro, a pé. Nós ficamos e eu consegui ser o ativo naquele momento. Não senti nada. Acho que foi a camisinha, sei lá. Esperava que houvesse mais atrito e eu sentisse mais prazer, mas não foi tão bom. Fingi que havia gozado e ele gozou enquanto eu o penetrava e masturbava ele. O cara é gente boa e pegou meu telefone. Espero que não ligue, acho que não curto caras mais femininos que eu... Bobagem isso? Preciso pensar a respeito.

          Escapei de me tornar uma estatística. Quando disse pra ele me matar, havia verdade nas minhas palavras. Acho que não me importaria. Mas fiquei feliz por conhecer ele. Sério, o cara era super gente boa, ou parecia ser. Meu troféu foi ter chupado ele. A cidade grande vai me trazer boas histórias para o blog afinal. Feliz Ano Novo♥ E cuidem-se. Na sejam loucos como eu, ou sejam, sei lá. Mas sejam sempre responsáveis por suas ações!

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Fragilidade...

             Eu tenho duvidado de mim mesmo. Acho que vou me autodestruir e  não vai demorar muito. Tive milhões de pensamentos para escrever este post, mas falho, uma vez que não consigo transpor meus sentimentos em palavras. Neste exato momento, eu compreendo os drogados, zumbis na cracolândia. Os alcoólatras, jogados na rua, largados ao vexame e a própria sorte. 

           Acabei de vir de um Supermercado famoso na cidade. Fui atrás de boa bebida. Estava bebendo, curtindo raros momentos que tenho com uma pessoa que amo muito{familiar}. Mas olhei ao redor, vi pessoas de boa aparência, curtindo boas roupas, marcas famosas. Tentei me achar naquele ambiente, mas não vi nada... Um vazio gritou dentro de mim. Eu queria alguém pra me salvar, mas sabia que este alguém era eu mesmo. Só eu posso me salvar, mas não sei se quero.
           Sabiam que a maior porcentagem de suicídios ocorrem neste mês? Acho tão válido! Sou pró suicídio, uma vez que me libertei de religiões. Aquela válvula de escape que sempre terei. Quando tudo parecer perdido... Mas e se não estiver tudo perdido. E se algo melhor estiver por vir? "E SE?" É uma dúvida cruel, triste, mas que devemos assimilar. 

          No Supermercado, fiquei imaginando se alguém se interessaria por um homem de meia idade, pobre, sem nada a oferecer. Eu queria me iludir e fingir que sim, mas vamos olhar a realidade. Sempre fui deslocado, nunca tive lugar aqui. Dinheiro? Não sei lidar! É a matemática que sempre me faltou.  

Há um colapso aqui agora. Vou ficar um tempo afastado daqui. Acho que preciso renascer melhor. No trampo,  no amor, na família...Tudo vai mal! Quando tudo se ajeitar, prometo que retorno. Não estou bem. Preciso de um abraço! Não de dinheiro ou sexo, só um abraço. Tenho sentido algo que ainda nem sei compreender, mas é destrutivo. Espero  que não dure muito. 

          Hoje me peguei sentindo invejo de um jovem que trabalha comigo. Toda aquela vida ainda pra viver. Experiências nunca vividas. Toda uma expectativa de vida pela frente... Eu já passei dos 30. Sem trabalho lucrativo, casa própria, carro, moto, amor pra viver, expectativas pra desvendar. Eu estou vivo mesmo? Desculpem pela fragilidade, mas sou humano e a barra tá pesando aqui. Talvez seja reflexo da recente mudança, ou não. 

             Neste momento, eu só espero ser forte o suficiente para atravessar esta ventania. Obrigado a todos que leem estas bobagens que escrevo, vocês são os maravilhosos. Não sei se o blog continuará em 2017, mas este diário, me fez bem até aqui e vocês são os melhores leitores que eu poderia ter. Eu queria estar bem e dizer que se eu consigo, qualquer um consegue... mas não estou conseguindo. Tá tão difícil respirar sozinho... Mas vou resistir, prometo! Se mantenham firmes, vocês são os melhores e merecem ser feliz. Tá doendo pra mim e pra muitos... Mas vai passar. Tenho certeza que vai♥

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Readaptação

        Mudei já fazem duas semanas. No começo foi extremamente difícil pra mim. Aceitar mudanças, é algo que não sei lidar. A mim, ela sempre parece mais difícil, sofrida, desinteressante. Mas admito, passadas estas semanas, vejo com mais otimismo minha nova realidade. 
           Eu saí do interior para o centro da cidade. Isso é um bônus. Apesar da minha cidade não ser uma megalópole, ainda consigo encontrar com facilidade tudo que necessito. Inclua aí, baladas, pessoas interessantes e muitos gays. Já conheci algumas pessoas, já fiquei com outras e foram experiências interessantes e inclusivas. Mas claro, sei que em uma cidade maior, vem também mais violência, perigos e coisas do tipo, mas estou munido da melhor forma possível. 

            Este passo, me dá mais consciência em minhas atitudes. Sinto me mais confiante a tomar novas decisões. Planejo morar sozinho no futuro e agora, sinto que tenho a determinação que me faltava. Obrigado a todos que torcem por mim, vocês são uns fofos. Prevejo a hora em que mostrarei a cara pra vocês...♥

Cuatro Lunas

           É sempre maravilhoso encontrar um longa gay que vale a pena. Antes de sair do meu armário, eu vivia a procurar conteúdo gay na internet, foi a forma que encontrei de me empoderar. Hoje, caio em um material ou outro, quase por acaso, e só assisto se verdadeiramente crer que vale a pena. 
             Cuatro Lunas, me atraiu primeiramente pelo nome. Sou fascinado pela Lua e suas fases, e pode parecer tolice, mas elas influenciam absurdamente minha personalidade.E é este o foco do longa, a homossexualidade em diferentes fases da vida.
          Pra começar temos a infância. O garotinho se apaixona pelo melhor amigo, e um dia, jogando em seu quarto, ele diz sentir curiosidade em ver o pênis circuncidado do colega. Ele o toca, o outro gosta, mas foge e o expõe na escola, fazendo com que ele sofra bulliyng, e claro, se tornando seu maior algoz. Mas ele talvez nem faça isso verdadeiramente por mal, mas sim, com medo de ser exposto primeiro ou temor aos próprios sentimentos. 
        Coisa linda ver a reação dos pais a descoberta, logo após uma briga na escola, no qual eles são convocados e tudo é revelado. A atitude do Pai surpreende e emociona. E caramba, esse garotinho mostrou tanta força.
           Um arco mais maduro quase nunca me chama atenção, admito. Talvez haja uma falta de identificação apenas, mas este me cativou. Um escritor, poeta, que leva uma vida digna ao lado da família, mas foge para a sauna sempre que pode. Lá, conhece um rapaz e passa a desejá-lo. Que passagem linda, que conclusão maravilhosa. Nem vou me prolongar, gostaria tanto que vissem.
          Eu só pude imaginar os caras com os quais já saí {tenho preferência pelos mais velhos}. Suas histórias e tentativas em levar uma vida "correta" aos olhos da sociedade. E claro, suas fugas vorazes noite a dentro, nos banheiros de baladas ou em situações pouco ortodoxas. Achei o filme pé no chão sem ser duro demais.
             Há também o casal bem resolvido. Eles já possuem casa, profissão, estabilidade e 10 anos de relacionamento. Mas um não se senti tão bem assim. Os amigos do parceiro o incomodam, assim como a feminilidade do mesmo.
           Ele começa a achar defeito no seu amor, o que demonstra insatisfação na relação e começa a sair com outro rapaz. Ele o traí e não esconde. Destroçado com a realidade do marido, ele chora, traça um plano para dar mais atenção ao seu amor, mas no fim a autoestima vence, e ele saí para viver sozinho, para recomeçar. Aliás, Antonio Velázquez é um dos homens mais lindos que já vi em cena. Beleza exuberante. 
          Enfim, meu casal favorito. Eu gostaria de editar todo o filme e ter apenas a história dos dois em um curta, seria perfeito. Eles se reencontram depois de anos e ao passar a noite na casa do amigo, ambos se apaixonam. Mas a trama é linda, envolvendo amizade, aceitação dos próprios sentimentos, família, amigos. Fito é um fofo, e logo percebe seu amor, enquanto Leo é mais arredio e teme a reação da família. 
       A primeira vez deles foi realista. Que máximo os dois conversando sobre quem seria o passivo. E o amor de ambos cresce a cada frame do longa. O que dói  no espectador são os momentos em que estão separados. Sem mais delongas, eu amei e já coloquei na minha Top 5 dos filmes gays que mais amo. Se alguém já assistiu, comente aqui. Vamos trocar ideias. Eu o encontrei no Netflix.♥
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...